Foi em meados de Outubro de 2012 o momento em que uma bióloga marinha e um ilustrador decidiram unir esforços em prol da conservação.

A ideia inicial surgiu na vontade de criar um livro que retratasse, de forma clara e muito colorida, o ciclo de vida das tartarugas marinhas e as ameaças que enfrentam ao longo da sua odisseia pelos oceanos, de forma a sensibilizar os mais jovens para a importância da sua conservação.

Em poucos dias a ambição destas duas mentes conservacionistas, em conjunto com o entusiasmo dos elementos da Direcção da ATM, levou-os a transformar a ideia de um simples livro, numa coleção de livros que seriam distribuidos gratuitamente nas escolas de vários países espalhados pelos 4 pontos cardiais, com duas características essenciais em comum, a Língua Portuguesa e o facto de que as suas praias acolhem as fêmeas nidificantes de várias espécies de tartarugas marinhas. Mais concretamente nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOPs) e Timor Leste.

Aproveitando que em cada um destes países se encontram diversas espécies de tartarugas marinhas, os autores do livro decidiram dar protagonismo à espécie mais ameaçada ou mais abundante de cada região.

O livro de Cabo Verde tem como protagonista a Tartaruga Comum (C. caretta), em Moçambique a narradora do livro é a Tartaruga de Couro (D. coriacea), a tartaruga verde (C.mydasrepresenta as tartarugas marinhas de Guiné-Bissau, uma vez que este país acolhe uma das maiores populações desta espécie a nível mundial, em Angola a Tartaruga Oliva (L.olivacea) narra a sua própria história e a Tartaruga Plana (N.depressus) protagonizará o livro de Timor Leste.

Uma vez que São Tomé e Príncipe acolhe a última população reproductora viável da tartaruga de pente (E.imbricata), localmente conhecida por sada, de toda a costa occidental africana, esta espécie teria obrigatoriamente de ser a protagonista do livro destinado a este arquipélago.

A sobre-exploração desta espécie para consumo humano e uso da sua carapaça para fins ornamentais, fez com esta populaação esteja hoje em dia listada como uma das 10 populações de tartarugas marinhas mais ameçadas no mundo.

Apesar da recente lei de proteção emitida pelo governo nacional (Decreto-Lei nº6/2014), a captura e comercialização desta espécies ameaçadas ainda é uma realidade, no entanto acreditamos que este livro terá um papel extremamente importante na sensibilização dos mais jovens para a importância da conservação das tartarugas marinhas, como um componente essencial do patrimonio natural e legado historico-cultural de São Tomé e Príncipe.

Hoje foi o dia em que este projecto foi apresentado às autoridades nacionais ligadas à educação, cultura e ambiente de São Tomé e Príncipe. Diferentes representantes do governo nacional, da direcção do ensino básico, os directores das escolas das comunidades alvo do Programa Tatô, meios de comunicação e ONGs assistiram à apresentação do livro “A Viagem da Visitante Mais Antiga de Sao Tomé e Príncipe”, que teve lugar na sala Tamarindos do hotel Pestana Sao Tomé, que gentilmente abriu, una vez mais, as suas portas para a equipa de ATM-MARAPA.

Este livro será distribuído gratuitamente nas Escolas Básicas das comunidades alvos do Programa Tatô, destacando Micoló, Morro Peixe, Santana, Messias Alves e Porto Alegre ao longo do início do próximo ano lectivo de 2016/2017. Numa primeira fase haverá uma pequena formação de todos os professores das escolas mencionadas de forma a dotá-los de ferramentas específicas de educação para que eles próprios possam desempenhar o seu papel de principais actores na preservação do património natural nacional, da melhor forma possível.

Acreditamos que ao incutir este tipo de valores e promover a mudança de hábitos nas crianças sãotomenses, o futuro desta linda nação, daremos um passo crucial em direção ao desenvolvimento sustentável e valorização do património natural incalculável de São Tomé e Príncipe.

Finalmente, gostariamos de aproveitar esta oportunidade para gentilmente agradecer o apoio de todas as entidades financiadoras e colaboradores do Programa Tatô, destacando a HBD, o Oceanário de Lisboa e UZINA. Graças ao vosso gentil apoio, passaremos a mensagem a mais de 2-500 crianças através deste projecto. Muito obrigada!

Foi em meados de Outubro de 2012 o momento em que uma bióloga marinha e um ilustrador decidiram unir esforços em prol da conservação.

A ideia inicial surgiu na vontade de criar um livro que retratasse, de forma clara e muito colorida, o ciclo de vida das tartarugas marinhas e as ameaças que enfrentam ao longo da sua odisseia pelos oceanos, de forma a sensibilizar os mais jovens para a importância da sua conservação.

Em poucos dias a ambição destas duas mentes conservacionistas em conjunto com a ambição de alguns elementos da Direcção da ATM, levou-os a transformar a ideia de um simples livro, numa coleção de livros que seriam distribuidos gratuitamente nas escolas de vários países espalhados pelos 4 pontos cardiais, com duas características essenciais em comum, a Língua Portuguesa e o facto de que as suas praias acolhem as fêmeas nidificantes de várias espécies de tartarugas marinhas. Mais concretamente nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOPs) e Timor Leste.

Aproveitando que em cada um destes países se encontram diversas espécies de tartarugas marinhas, os autores do livro decidiram dar protagonismo à espécie mais ameaçada ou mais abundante de cada região.

O livro de Cabo Verde tem como protagonista a Tartaruga Comum (Caretta caretta), em Moçambique a narradora do livro é a Tartaruga de Couro (D. coriacea), a tartaruga verde representa as tartarugas marinhas de Guiné-Bissau, uma vez que este país acolhe uma das maiores populações desta espécie a nível mundial, em Angola a Tartaruga Oliva (L.olivacea) narra a sua própria história e a Tartaruga Plana protagonizará o livro de Timor Leste.

Uma vez que São Tomé e Príncipe acolhe a última população reproductora viável da tartaruga de pente, localmente conhecida por sada, de toda a costa occidental africana, esta espécie teria obrigatoriamente de ser a protagonista do livro destinado a este arquipélago.

 

 

A sobre-exploração desta espécie para consumo humano e uso da sua carapaça para fins ornamentais, fez com esta popoulação esteja hoje em dia listada como uma das 10 populações de tartarugas marinhas mais ameçadas no mundo.

Apesar da recente lei de proteção emitida pelo governo nacional (Decreto-Lei nº6/2014), a captura e comercialização desta espécies ameaçadas ainda é uma realidade, no entanto acreditamos que este livro terá um papel extremamente importante na sensibilização dos mais jovens para a importância da conservação das tartarugas marinhas, como um componente essencial do patrimonio natural e legado historico-cultural de São Tomé e Príncipe.

Hoje foi o dia em que este projecto foi apresentado às autoridades nacionais ligadas à educação, cultura e ambiente de São Tomé e Príncipe. Diferentes representantes do governo nacional, incluindo o Ministério das Infra-estruturas, Recursos Naturais e Ambiente, Direcção geral do Ambiente e a Direcção do Ensino Básico, os directores das escolas das comunidades alvo do Programa Tatô, meios de comunicação e ONGs assistiram à apresentação do livro “A Viagem da Visitante Mais Antiga de Sao Tomé e Príncipe”, que teve lugar na sala Tamarindos do hotel Pestana Sao Tomé, que gentilmente abriu, una vez mais, as suas portas para a equipa de ATM-MARAPA.

 

 

Este livro será distribuído gratuitamente nas Escolas Básicas das comunidades alvos do Programa Tatô, destacando Micoló, Morro Peixe, Santana, Messias Alves e Porto Alegre ao longo do início do próximo ano lectivo de 2016/2017. Numa primeira fase haverá uma pequena formação de todos os professores das escolas mencionadas de forma a dotá-los de ferramentas específicas de educação para que eles próprios possam desempenhar o seu papel de principais actores na preservação do património natural nacional, da melhor forma possível.

 

 

Acreditamos que ao incutir este tipo de valores e promover a mudança de hábitos nas crianças sãotomenses, o futuro desta linda nação, daremos um passo crucial em direção ao desenvolvimento sustentável e valorização do património natural incalculável de São Tomé e Príncipe.

Finalmente, gostariamos de aproveitar esta oportunidade para gentilmente agradecer o apoio de todas as entidades financiadoras e colaboradores do Programa Tatô, destacando a HBD, o Oceanário de Lisboa e UZINA. Graças ao vosso gentil apoio, passaremos a mensagem a mais de 2.500 crianças através deste projecto. Muito obrigada!