As tartarugas marinhas são animais ameaçados de extinção no mundo. O seu ciclo de vida acontece em praias e mares de vários países, tornando-as muito vulneráveis. Por isso, nenhum esforço de conservação seria efetivo sem acordos internacionais e uma legislação adequada, capaz de regulamentar e garantir as diferentes etapas da vida destes animais.

 

Chelonia mydas (Tartaruga Verde)

 

As tartarugas marinhas são seres muito carismáticos, o que tem facilitado, em todo o mundo, que sejam transformadas em espécies-bandeira, permitindo a proteção não só de outras espécies e dos habitats onde ocorrem, mas também das comunidades costeiras.

 

Ao redor do mundo, a sobrevivência das tartarugas marinhas está ameaçada por uma variedade de ações antrópicas. Atualmente muitas populações têm sofrido grandes declínios e, em alguns casos, estão já extintas. Ainda que os programas de conservação atuem no sentido de mitigar os principais riscos à sobrevivência das tartarugas marinhas, aspectos naturais da seleção natural, que incide essencialmente sobre os filhotes, e do tempo de maturação sexual acentuam a lenta recuperação das populações.

 

A natureza migratória das tartarugas marinhas, o cruzamento de fronteiras políticas e geográficas, torna essencial que as ações locais sejam complementadas através da colaboração entre distintos programas de conservação. É consensual de que medidas de conservação aplicadas de forma independente, ou isoladas a uma escala nacional, são ineficientes na reversão do processo de declínio das populações. A formação de redes regionais e internacionais de cooperação possibilita a troca de experiências, informações e de dados científicos que, uma vez reunidos, permitem que sejam definidas estratégias mais efetivas e encontradas respostas para solucionar os problemas de conservação.

 

Assim, esperamos que a integração e a cooperação entre organizações, governos, indivíduos e a sociedade em geral, promova oportunidades para uma melhor qualidade de vida das comunidades locais onde ocorrem tartarugas marinhas, uma melhor gestão dos recursos naturais, e uma responsabilidade para a proteção da biodiversidade para as gerações futuras. 

 

 

Chelonia mydas (Tartaruga Verde)