Ocorrem cinco espécies de tartarugas marinhas em águas portuguesas, a mais comum é a cabeçuda, seguindo-se as outras mais raras mas também já registadas em águas nacionais, a de couro, a verde, a de pente e a Kemp.

Não existem registos de nidificação em Portugal, mas animais juvenis frequentam as águas nacionais durante as suas migrações como ponto de descanso e alimentação.

São muitos os perigos para as tartarugas jovens nas proximidades insulares. A ingestão de plásticos e a captura acidental em diversos tipos de pesca, são as maiores ameaças que estes animais enfrentam na região.

A Universidade dos Açores e a Universidade da Madeira têm vindo a desenvolver atividades de pesquisa e conservação das tartarugas marinhas.